Archive for julho, 2010

Junho

Em junho, duas instituições de ensino receberam as capacitações do Instituto Superatum – a Creche Recanto Alegre e a Creche Francisco de Assis. Na primeira, o tema tratado pela nutricionista Danieli C. Batista foi Educação Ambiental. Estiveram presentes 12 educadores. Já a segunda, recebeu o tema Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade ministrado, também para 12 participantes, pela psicopedagoga e lingüista Eloise Torres.

Tags:

Era uma vez…

Informação encaminhada por Shirlei Sidô

Dentre as várias capacitações realizadas pelo Instituto Superatum, a oficina de contação de historias é uma das mais solicitadas pelos educadores.

Considerando a importância da contação de histórias, salienta-se que por meio delas podemos enriquecer as experiências infantis, desenvolver diversas formas de linguagem, ampliar o vocabulário e proporcionar a criança um viver o imaginário.

O “Conto Sete em Ponto” é o mais antigo projeto de narração de histórias de Belo Horizonte, oferecendo ao público espetáculos mensais e gratuitos de contação de histórias.

Programação de Julho

Em Belo Horizonte:
Data: 29/07/2010 (quinta-feira) // Horário: 19h
Local: Teatro da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa (Praça da Liberdade, 21, térreo – Funcionários).

*Convites gratuitos disponíveis a partir do dia 19/03 no Instituto Cultural Aletria – Rua São Domingos do Prata, 697, Santo Antônio; Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa – Praça da Liberdade; Livraria Quixote – Rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi; Bar Balaio de Gato – Rua Piauí, 1052 – Funcionários; Biblioteca Pública Infantil e Juvenil – Rua Carangola, 288, Santo Antônio.

Em Ouro Preto:
Data: 30/07/2010 (sexta-feira) // Horário: 19h
Local: Casa da Ópera (Rua Brigadeiro Musqueira, s/n – Centro)

*Distribuição dos convites (gratuitos): Teatro Municipal Casa da Ópera. A retirada deve ser feita a partir das 13h, no dia do evento.

Tags: , ,

Sem habilidade com números

Matéria de Junia Oliveira, O Estado de Minas – 08 de junho. Encaminhada por Gleice Eller

Crianças e jovens com notas baixas em matemática e dificuldades persistentes, não se limitando a perder média em algumas provas, merecem atenção dos pais e alerta na escola. O problema pode não ser apenas o desafio em assimilar a matéria. Eles podem sofrer de discalculia, um transtorno crônico na aprendizagem da disciplina, que não pode ser atribuído à falta de interesse do aluno, a uma educação deficiente nem à escassez de estímulos. A doença ainda não foi completamente desvendada pelos cientistas, mas a estimativa é de que, por causa dela, 6% da população não tenha habilidade com os números. Em Minas Gerais, um grupo de pesquisadores está colhendo mais informações e traçando um perfil de crianças e adolescentes portadoras da síndrome. O trabalho, iniciado em 2008, está sendo feito por profissionais do Laboratório de Neuro-psicologia do Desenvolvimento da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich), em parceria com o Laboratório de Genética Humana/Médica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), com colaboração do Serviço Especial de Genética do Hospital das Clínicas, todos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e do Centro de Tratamento e Reabilitação de Fissuras Labiopalatais e Deformidades Craniofaciais (Centrare), da PUC Minas. No estudo, crianças de 7 a 14 anos de escolas públicas e particulares de Belo Horizonte e Mariana, na Região Central de Minas, são submetidas ao teste de desempenho escolar. Aquelas que obtêm resultado abaixo de 25% no subteste de matemática são convidadas para uma segunda etapa de avaliação, em que passam por entrevista clínica, testes psicológicos e de inteligência. Elas também têm o sangue coletado. Até agora, 1,4 mil voluntários já passaram pela triagem. Desses, mais de 200 foram examinados na segunda fase. Segundo o coordenador do Laboratório de Neuropsicologia, o médico Vitor Haase, a meta é que 500 crianças sejam submetidas aos testes psicológicos. Haase afirma que, além de médias insuficientes, uma defasagem de pelo menos dois anos no nível de desempenho em relação à série no qual o estudante se encontra é um forte indício do problema. “Nunca podemos falar em discalculia na 1ª ou 2ª série. é preciso fazer uma avaliação clínica e neuropsicológica”, diz. Também acende alerta a dificuldade para decorar a tabuada ou no conceito de números, como a noção de grandezas e quantidades. O coordenador ressalta que a causa não pode ser primariamente emocional, portanto, casos de dificuldade na aprendizagem que são consequência de ambiente familiar desajustado ou de conflitos, por exemplo, são descartados. O diagnóstico também não é usado em pacientes com retardo mental. Segundo o médico, uma situação recorrente nos pacientes é a síndrome do transtorno não verbal de aprendizagem. Estão nesse perfil crianças que têm uma inteligência normal, geralmente não muito alta, e que, no início da vida, têm um atraso de desenvolvimento: demoram a firmar a cabeça, a se sentar, a caminhar e a falar, o que é superado posteriormente. “Muitas vezes, a família pensa que o menino tem deficiência mental, mas não é o caso”, diz. Na idade pré-escolar, falam bem e começam a apresentar um comportamento de agitação. Normalmente, são diagnosticados como hiperativos, o que persiste até a idade escolar. Na fase de alfabetização, podem ter um pouco de dificuldade também. Haase relata que é na fase inicial do currículo escolar que os problemas se agravam, principalmente na matemática, devido a outros comportamentos que se tornam mais evidentes. As crianças têm bom vocabulário, não trocam os sons quando falam, mas têm dificuldade com interpretação de textos, com desenhos, coordenação motora e espacial e, principalmente, um perfil bastante característico na interação social. “São amistosas, mas um pouco ingênuas, pouco perspicazes e com problemas para entender o que é adequado ou não numa determinada situação. Não têm noção da maldade das pessoas também. São indivíduos pouco intuitivos e aprendem pouco pela experiência. Esses meninos não se entrosam muito em grupos e são mais tímidos. Esses são aqueles com as formas mais puras e mais graves da discalculia”, relata. O transtorno não verbal ocorre em 1% da população em idade escolar e, dos que se consultam na UFMG, 10% são portadores.

GENÉTICA

Uma terceira etapa da pesquisa será feita pela equipe do laboratório de genética humana do ICB, que examinará parte do genoma dos voluntários. Na conclusão dos trabalhos, os dois resultados serão comparados. Os pesquisadores já sabem que as causas da discalculia são de ordem genética, mas ainda é preciso identificar as áreas do genoma associadas ao transtorno. A universidade disponibiliza o diagnóstico para pessoas com dificuldade em matemática no serviço de psicologia aplicada. Os interessados devem entrar numa lista de espera. O telefone para marcação de consulta é o (31) 3409-5070 ou 6295.

Tags: , ,

Desempenho em português puxa média do Enem para baixo

Nenhum colégio do País registrou 70% de acerto nessa área; professores põem culpa na internet

Matéria de Fábio Mazzitelli – O Estado de S.Paulo – 20 de julho

O desempenho na área de Linguagens e Códigos puxou para baixo a média final das escolas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2009. Essa parte do exame foi a única em que nenhum colégio no País atingiu média de 700 pontos, numa escala de 0 a 1.000. Entre as escolas da capital, o melhor desempenho ficou com o Colégio Vértice, com 686,70 pontos.

Nas questões dessa área foram medidas as habilidades dos jovens em língua portuguesa e interpretação de textos – diferentemente do Enem de 2009, o deste ano terá prova de idioma estrangeiro. Nas outras grandes áreas do conhecimento, a maior média dos colégios ficou entre 700 e 800 pontos.

Com a maior média geral do País, o Vértice encabeça as notas das escolas da capital em Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas. Em redação, a melhor média foi do Colégio Batista.

A pontuação máxima abaixo de 700 em linguagens é considerada “preocupante” e um reflexo da chamada “geração Y”, educada com a ajuda da internet. Para gestores de escolas, com os jovens cada vez mais conectados em redes sociais, a linguagem desenvolvida no mundo virtual se distanciou da língua culta, empobrecendo o vocabulário e prejudicando a capacidade de interpretar textos mais longos.

“Está tudo muito abreviado, curto, e eles deixam de produzir textos. É tudo copiado: control-C, control-V”, diz Maria Martinez, diretora pedagógica do Batista Brasileiro. “Não aceitamos trabalhos copiados da internet. As próprias escolas, às vezes, entregam material pronto para o aluno, que só tem o trabalho de responder, não de elaborar o texto”. Diretor do Vértice, Adílson Garcia reconhece que há dificuldade do jovem em adquirir hábitos de leitura.

Uma das propostas do novo Enem era avaliar a capacidade do estudante de interpretar textos, ter raciocínio lógico e leitura crítica. “Linguagens acaba interferindo em outras áreas, como história, geografia e até na área de exatas, por causa da leitura”, diz Miguel Arruda, coordenador do ensino médio do Colégio Santo Américo.

Tags: ,